CINZA…..

E mais uma vez, a nuvem sem cor, sem brilho e sem vida, paira sobre toda a cidade. Mas desta feita, algo de diferente a acompanha,onde sua sombra toca, tudo toma a mesma tonalidade, a mesma cor, fria e sem vida…. cinza. Como se absolutamente tudo perde-se a graça, a vontade, a beleza, mesmo as flores, mesmo as aves, mesmo a vida. Todos, cabisbaixos, andam uniformes na mesmissima direção, sem rumo, sem fim,sem razão. E tudo porque querem, assim o desejam, assim o fazem, de livre e espontanea vontade, determinaram a sí mesmos, todos, que se mutilariam e se castrariam e seriam todos, uma coisa só. Sem vontade, sem aspirações, sem desejos, sem ideias, sequer iriam mais usar suas mentes. E tudo começou de uma maneira ingenua, o fim, sim teve um começo. Uns queriam q tudo fosse colorido, feliz, alegre, natural e verdadeiro. Outros, queriam q tudo fosse colorido, feliz, alegre, natural e verdadeiro. E os mais velhos, queriam q tudo fosse colorido, feliz, alegre, natural e verdadeiro. E os mais novos, queriam q tudo fosse colorido, feliz, alegre, natural e verdadeiro. E os que acabaram de chegar, queriam q tudo fosse colorido, feliz, alegre, natural e verdadeiro. E os que vieram apenas ver, queriam q tudo fosse colorido, feliz, alegre, natural e verdadeiro. Mas pra uns isso era vermelho Mas pra uns isso era azul; Mas pra uns isso era vinho; Mas pra uns isso era branco; Mas pra uns isso era preto; Mas pra uns isso era transparente….. E se diziam… Sim isso aqui, o que nós temos, fazemos, entendemos, criamos e vivemos, é o que há de melhor. Olha, é nesta posição, e desta maneira, a unica forma que sabemos ser a melhor, de você penetrar em uma submissa, seja ela quem for…. E era o mesmo para se usar um chicote… E era o mesmo para se usar cordas… E era o mesmo para se usar velas… E derrepente, isso, se tornou em guetos, e esses guetos se tornaram tribos, e essas tribos, brigaram entre sí. E não houve ganhadores, nem vencedores, nem sorriros. E todos fizeram e dançaram suas danças de guerra. E prepararam suas flexas, e esticaram seus arcos… E levaram seus escudos… Mas absolutamente, inexoravelmente, inexplicavelmente, todas as armas……. eram iguais. E todo sangue derramado….. era vermelho. E toda morte….. era o fim. Por quanto tempo isso durou? Nem os “uns”, sabiam; Nem os velhos, sabiam; Nem os novos sabiam; Nem os que acabaram de chegar, sabiam; Nem os que vieram ver, sabiam; E tudo ficou cinza…