Acordei agorinha…..

Insônia, sem pesadelos dessa vez, meu passado não veio me atormentar, com cenas do que fiz, ajudei, estive junto, planejei,executei, não, dessa vez não.
Uma amiga sub, a qual sempre estamos juntos, mecionou que o que procuro insanamente é outra “j”, e, com qq uma que não se pareça em nada com ela, vou acabar esfriando e deixando a relação murchar ate se findar. 
Como se fosse isso que meu mais intimo e profundo desejasse, não é ela, não vai dar, vem daí minha frieza .
Por isso falo tanto nela, por isso, falo dela com quem está querendo algo comigo, e, nem sequer paro pra observar se acabo de fechar outro coração que se abria para mim, e vê tristemente que jamais irá tapar esse buraco, nem sequer conseguir seu espaço em meu peito.
Não pode ser, como isso é possível……sequer sei onde ela se encontra….. não temos a anos nenhum contato fisico,…..nem sei se ela esta viva diga-se, ano passado, com problemas em bdsm, procurei por sua sabedoria infinita, pois perdia as redeas de minha sanidade novamente, ela me apoiou mais uma vez, mas desta feita mudou o numero do fone que eu tinha. 
E navego a deriva, procurando em portos onde finalmente terminar minha viagem e contar minhas histórias e aventuras, num banco, olhando pro mar e fumando meu cachimbo, barba branca, pele escura brilhando ao sol, dorso nú, com minha kadela no colo, não é querer muito, é querer algo…….
Proteger alguém finalmente, dar-lhe o braço forte, ser a sombra em sol insano, cobertor em noite fria, motivo pra que acorde, sorria, viva, chore, cante, se emocione, evolua.
Já que não entendo o amor, que essa pessoa aceitei isso em mim e entenda minha dedicação, meu empenho, minha presença, meu Eu. 
E que seja nova, todas as luas que estiver comigo, que a brisa que esfoaçar seus cabelos seja o hálito sedendo de meus pulmões, a lhe devorar as carnes, o desejo, que a febre de minha pele lhe aqueça até o mais infimo de seu ser, pois devoro o que me pertence, consumo o que é meu, que sinta as minhas mãos, a press ionarem seu ventre, o ardor frenético em suas ancas, o perder de seus seios,o arfar de seus lábios, cortando minha lingua ,a posse do que é meu. 
Mas a tudo isso, pede-se ao meu coração que mude, que se abra, que se permita, e isso sei por mim que irá levar tempo, tempo este que não sei se me é permitido, tempo este que tenho que o aproveitar o mais urgente possivel, pois o amanhã virá, mas pode ser meu ultimo.
Como os antigos, irei por numa garrafa um depoimento, longo o bastante pra ser interessante a quem goste do que gosto, curto o suficinete pra dizer que estou sozinho…. que procuro…. que desejo……
Irei lançar essa garrafa ao mar, constando toda minha vida, sem rodeios, sem mascaras, sem mistérios, com meu endereço, onde me encontrar, pois quem vier, virá sem ter duvida, virá sem ter medo, virá por desejo, de viver e conviver com um homem que quer a vida, seu modo de vida, pleno, integro, concreto e realizado.
E essa insônia que não me deixa, que fique então comigo, companheira de noite quente e vento frio, a olhar pra tão bela lua, nesta cidade de concreto e aço, onde não se vê estrelas, mas se sabe que esta mulher ja existe, apenas, estamos indo em praias diferentes……….